domingo, 21 de fevereiro de 2016

author photo
Continue depois da pub 💁...

Saiba o que é Crime virtual, conheça os 10 mais perigosos e veja algumas dicas para se proteger!

Além de interagir com pessoas de qualquer lugar do planeta, comprar itens difíceis de encontrar e ter acesso a conteúdo ilimitado de nosso interesse, todos os dias somos bombardeados por notícias sobre vazamento de fotos íntimas, discursos que incitam o ódio e inúmeros casos de pedofilia. Tudo isso só é possível graças ao advento da Internet.
Ao mesmo tempo em que o universo virtual permite encontrar benefícios jamais imaginados antes de sua existência, ele também possibilitou ampliar a presença de crimes que antes acabavam sendo pouco ou nada expostos. Antes da Internet, ainda, crimes como falsa identidade, calúnia, injúria, pedofilia e muitos outros também não tomavam as mesmas proporções, já que chegavam a uma parcela regionalizada da população, exceto em casos de comoção nacional.
Neste universo da violência, o que é então crime virtual?
Os crimes virtuais são cometidos por meio da Internet ou em dispositivos móveis com acesso à web. Com a popularização do uso de PC, notebooks, tablets e smartphones, tem sido necessário discutir os limites entre a liberdade de informação e a criminalidade no universo virtual. É para isso que foi criada uma lei, em 2014, que determina o uso da rede no país, definindo os direitos e os deveres dos internautas e das empresas responsáveis. Ela é conhecida como Marco Civil da Internet.
O Marco Civil da Internet foi amplamente discutido durante quatro anos com participação do governo, do setor privado e da população em geral, e é pioneiro no mundo. Além disso, ele estabelece o que é crime na web. Aliado a este, está também a chamada lei Carolina Dieckmann, de 2012, que proíbe a invasão de dispositivos alheios para obter, modificar ou deletar informações sem autorização do dono do dispositivo. Com penas de até dois anos de reclusão e multa, frequentemente revertidas em serviços comunitários, ou oito a dez anos, nos casos de pedofilia e extorsão, a lei ainda é muito branda perante os crimes virtuais.
QUAIS SÃO OS PERIGOS
No mundo, dois em cada três usuários já foram vítimas de crimes virtuais, que atingem 556 milhões de pessoas todos os anos. Só no Brasil, o prejuízo anual é o maior de todos, estimado em R$ 16 bilhões. Os dados são de 2012, da empresa de segurança virtual Symantec. De acordo com o relatório de 2014 da Kaspersky Lab, outra companhia de segurança na Internet, o Brasil é o segundo país onde mais acontecem fraudes bancárias.  Por isso, além de se preocupar com o seu seguro para celular, outros dispositivos móveis ou aparelhos eletrônicos também é importante prestar atenção ao dia a dia da vida digital.  
Os 10 crimes mais praticados na rede são:
*Roubo de identidade e de senha
As informações pessoais são usadas para realizar compras online ou efetuar transações financeiras de forma indevida.
*Falsa identidade
Comum nas redes sociais, é quando a pessoa omite ou mente sobre suas características para levar vantagem sobre outra pessoa ou determinada situação.
*Calúnia ou difamação
Divulgação de informações falsas sobre alguém, que podem prejudicar a vítima.
*Estelionato
Ocorre quando o criminoso engana a vítima com o objetivo de conseguir uma vantagem financeira.
*Pirataria
Cópia ou reprodução sem autorização nem pagamento de livros, músicas, imagens e softwares de empresas.
*Discriminação
Divulgação de informações preconceituosas sobre a cor da pele, sexo, orientação sexual, religião ou nacionalidade de outra pessoa.
*Pedofilia
É o abuso sexual infantil, possibilitado em sites ou em perfis nas redes sociais.
PROTEJA-SE
Para não cair nestas ou em outras centenas de roubadas maliciosas da rede, alguns cuidados devem ser redobrados pelo usuário. Confira algumas dicas:
*Utilizar senhas seguras
As senhas que protegem as contas não devem ser óbvias. 123456 é a senha mais comum utilizada pelos usuários. Isso quer dizer que ela não é segura, assim como datas de aniversário ou nomes de pessoas próximas. Tão arriscado quanto uma senha ineficiente é o uso da mesma senha para diversas contas, seja no e-mail, nos apps, nas redes sociais e até no banco, pois com uma única senha, o criminoso pode acessar todos os seus dados.
*Fazer compartilhamentos confiáveis
Compartilhar fotos e informações pessoais é uma prática comum, mas não deve ser feita com qualquer pessoa nem sem a segurança adequada, pois o dispositivo pode parar em mãos erradas e os dados, que deveriam ser privados, podem acabar expostos em toda a rede mundial.
*Realizar compras seguras
Com a quantidade de produtos disponíveis na Internet e com a praticidade na hora da entrega, é comum que muita gente prefira esta forma de consumo. Entretanto, é necessário ficar atento para realizar compras apenas em sites seguros. Geralmente, um cadeado na barra de endereços sinaliza que a página está protegida e pode ser utilizada sem problemas. Sites que não oferecem essa segurança são uma oportunidade para que os criminosos façam a clonagem de dados bancários.
*Cuidado com os e-mails
Remetentes desconhecidos ou assuntos que chamam muito a atenção podem ser uma armadilha. Na maioria das vezes, é um golpe que pode danificar seus arquivos. Na hora de efetuar downloads, este perigo também pode acontecer.
*Orientar as crianças
As crianças não têm conhecimento sobre os perigos da Internet. Por isso, é papel dos pais orientá-las sobre o uso seguro de computadores, notebooks, tablets e celulares. A principal dica é evitar o contato com desconhecidos, mas também é preciso explicar sobre senhas e compartilhamentos. Alguns dispositivos, inclusive, permitem o bloqueio a sites e aplicativos que não são indicados para o público infantil.
*Fique deslogado
Ao terminar de utilizar o e-mail, a rede social ou finalizar a compra, é melhor fazer o log off do sistema, principalmente quando usar um dispositivo compartilhado ou uma rede WiFi pública. Dessa forma, a pessoa seguinte não terá acesso aos dados de login anteriores.
*Investir em soluções de segurança
Tanto para PCs quanto para tablets e smartphones, já estão disponíveis serviços que prometem proteger contra vírus, phishing, malware e outras ameaças virtuais. Além da instalação, a atualização frequente destes softwares ou aplicativos ajuda a manter os ataques longe.
Se ainda assim um ataque virtual acontecer, a denúncia deve ser feita. É possível procurar a justiça, de preferência com as provas do crime em mãos. Outra opção é se dirigir a um cartório, para que o próprio atendente faça a busca pelas evidências, o que acelera a investigação. Com todos os documentos, o delegado vai avaliar se o caso corresponde a um crime ou a um processo civil, e assegurar os direitos e as punições, se houver.

É bom lembrar que todo site, aplicativo e rede social estão sujeitos à serem alvo de crimes virtuais, e, consequentemente, o usuário sempre pode ser uma vítima, mesmo os mais experientes. Os cuidados com o uso da rede devem ser tomados em todas as situações, para que os crimes previstos pelas leis correspondentes não prevaleçam sobre as oportunidades oferecidas pela Internet.
Não pare agora, fique com a gente 😍...
Deixe sua opinião:
Próximo artigo Próximo Post
Artigo anterior Post anterior

Publicidade

Publicidade