Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Junho, 2015

O quanto a rede social pode ser desgastante

Tenho visto cada coisa em minha linha do tempo que não tem cabimento. O caso está tão extremo que só penso em duas alternativas: parar de usar o facebook, até isso acabar ou excluir os pobres lesados e manipulados. Tô em dúvida??? Pois bem!

Opinar é um direito de todos, mas vamos buscar o mínimo de informação e parar de ser "alice" antes de usar esse direito. Além de compartilhar imagens não relacionadas ao movimento de domingo e imagens de um documentário de aproximadamente 10 anos atrás, imagens até de um movimento feminista de quase 2 anos atrás, infelizmente pela mínima falta de informação. Alguns tentam matar o movimento LGBT.
Já que o pastor famoso pensando bem que compartilhar apenas a imagem da Crucificação não causaria tanto impacto, decidiu ir no google pegar umas imagens chocantes para manipular, e surpresa.... Surpresa não, o esperado, muita gente com ódio enraizado começou compartilhando as mesmas imagens falando cada coisa absurda e com tanta falta de amor!

Parada LGBTs 2015 de São Paulo exibe polêmica mensagem para reflexão

Em meio à um turbilhão de opiniões sobre o que chamou a atenção do país, na Parada LGBTs 2015 de São Paulo, realizada neste último domingo (07/06/15) na Avenida Paulista. A Crucificação da comunidade LGBT representada pela modelo transexual Viviany Beleboni, nos trouxe muitas reflexões em tão pouco tempo após termino do protesto:

1 - Isso é uma blasfêmia contra Jesus e Deus, ou afronta a religião?

A crucificação e a coroação de espinhos não foi um castigo exclusivo a Cristo. Outras pessoas antes dele e depois também foram crucificadas. A imagem mostra uma pessoa sendo crucificada pela homofobia. Se as pessoas associam qualquer pessoa pregada à cruz uma referência a Jesus, problema da ignorância dela.

2 - Porque usar de um acontecimento religioso?

Diversos artistas e pessoas populares usaram da mesma imagem como metáfora à uma perseguição, sofrimento e crucificação de uma classe. Esta não é a primeira  vez e não será a última! Vamos tentar interpretar melhor: