Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2014

Sobre a politização das paradas da diversidade

Queria dizer que o jeito festivo, "gay" (no sentido mais próximo do original) de ser não é desvio do "normal", mas um jeito próprio. Aliás, isso não é prerrogativa de LGBTs. Moro em Recife e, pra utilizar um exemplo hiperbólico bem real, quantos milhões a mais de pessoas comparecem, por exemplo, ao Galo da madrugada do que em manifestações políticas?
Penso que esse preconceito contra as paradas é coisa de mentes que tem padrões heteronormativos internalizados. A velha ideia (estendida às lésbicas, "pintosas", travestis e transsexuais) de que gente "séria" e "respeitável" mesmo fica em casa lavando roupa e cuidando dos filhos e do marido, veste-se de maneira "sóbria", etc. Homofobia, misoginia, machismo, preconceito.

Acho que o que faz as paradas da diversidade serem assim é que a luta LGBT é, antes de tudo, pelo direito de existir, pelo direito de existir como somos, de existir fora dos "guetos". Então, inevitavelm…

O fermento da Vida

Certo moço foi criado sem o pai por perto e aprendeu, desde cedo, que deveria cuidar da mãe, dos tios, enfim, da família. Tornou-se ainda menino o homem da casa, e quando um menino é forçado a se tornar homem, ele desenvolve uma responsabilidade cruel.
Estudou muito e começou a trabalhar cedo, enfiou-se na frente de um computador, tornou-se especialista em programação e como bomnerd, de lá só saia para as noitadas e bebedeiras com poucos amigos. Nunca teve a intenção de criar vínculos, porque de aprisionamento ele entendia bem.
Saiu da cidade pequena e foi morar na capital. A vida apenas corria, até o dia em que ele resolveu ter um hobby, fazer algo diferente do que estava acostumado e se matriculou, vejam só, num curso de padeiro. A explicação era simples, cozinhar é uma forma de arte, e isso é um alívio para quem leva uma vida tão pragmática.
O engraçado é que apesar da intenção de ter um hobby, ele não deixava a ligação com o “pão de cada dia”.
As aulas começaram numa noite chuvosa…

O papo da reforma e a ladeira da vida

Você já fez uma reforma na sua casa? Quem já fez sabe o que isso significa. Reformar a casa é sempre um transtorno. Tudo fica fora do lugar. O sofá cede espaço a um monte de areia. Há cimento por toda a parte e o cheiro de tinta se espalha no ar. De pouco adianta o planejamento e os prazos. Sempre surgem vazamentos inesperados, serviços mal-feitos e outros imprevistos que aumentam o orçamento e o tempo para terminar a obra. Para evitar aborrecimentos, há quem prefira passar a vida sem qualquer mudança, optando por se acomodar as falhas e imperfeições. Mas quem se aventura a enfrentar o desafio recebe, como recompensa, mais conforto e muito prazer. Nossa vida é como nossa casa. Um lar que podemos manter como está, ou então, reformar, aumentar, redecorar, pôr abaixo se for preciso, para reconstruir de um jeito melhor. Colocar a vida em obras é também um grande transtorno, com um agravamento: você não pode abandoná-la temporariamente, hospedando-se em outro lugar. Tem que aprender a con…

Vampiros? Isso é outro nome para mosquitos?

Gente esse é o meu amigo Conde Leon Vampairous,Ele me olha assim, acho tão legal!
O que Porr@ sã vampiros? O que é um Vampiro:Vampiro é um ser miológico ou folclórico que sobrevive alimentando-se da essência vital de criaturas vivas (geralmente sob a forma de sangue), os vampiros são descendentes de Caim, o primeiro fêla-da-puta da história. Que fodeu a porr@ toda quando matou seu irmão, o que fez com que Deus o colocasse de castigo por toda eternidade. Dizem que ele é o primeiro vampiros por causa das maldições que ele levou por ter matado seu irmão, ou seja ele tomou no Kuzinho. 
Olha a baixaria:

Vampiros antigamente: Os vampiros eram bem cruéis e sanguinários, devoravam sem pena suas vitimas, sentimentos zero, apenas maldade, queimavam no sol, quando levam uma estacada no coração ou morriam, coisas do tipo diabólicos e vorazes, tipo assim na foto a baixo.

Vampiros hoje em dia: A lenda dos vampiros foi destruída hoje em dia, por pessoas sem noção que escrevem coisas bizarras faland…

Conheça as 05 bandas que são apostas para 2015!

O ano de 2014 tá quase chegando ao fim e já tem promessas para o mundo da música brasileira para o próximo ano. A Atlantis Produções, em parceria com a Geração Marketing Digital, apostam para 2015 que tem levado a sério a divulgação e profissionalismo com materiais autorais. São elas: Replace, Tay Galega, Amarillion, Nêga Sinhá e Lucas Nadal.


Saiba mais sobre as bandas: A jovem cantora catarinense Tay Galega,não possui apenas um rosto bonito e uma bela voz, sobretudo esbanja muita simpatia com seu jeito comunicativo e sorridente. Tay começou no mundo da música após passar no teste para uma banda, mas acabou seguindo sua trajetória em carreira solo.

A cantora atualmente está na fase de produção do primeiro Ep, que foi financiado por seus fãs e amigos através do projeto no Catarse. A produção é realizada por Marco Lafico e Tavares (Ex-Fresno) e tem previsão para lançamento ainda esse ano.

Para conhecer seu trabalho:https://www.youtube.com/user/taygalega
Replace é a mistura de sons, letra…

Just a Little Respect!

Sou a favor de cada um ter a sua opinião, suas ideologias, seu modo de vida enfim... mas não consigo aceitar essa galera homofóbica, preconceituosa e intolerante que sai por aí agredindo as pessoas, pelo simples fato delas serem diferentes. Serem azuis, negras, amarelas ou por beijar alguém do mesmo sexo. Recentemente, três rapazes foram agredidos na Av. Augusta em São Paulo, só por se abraçarem, um grupo de mais ou menos dez pessoas não conseguiu tolerar essa cena e partiu para agressão. Resultado um dos jovens agredido, de 21 anos, sofreu três fraturas em ossos da face e ficou com um coágulo no cérebro e terá que fazer pelo menos três cirurgias na face devido às fraturas em ossos da bochecha, nariz e maxilar. E quem ganha com isso? O mundo ficou melhor? Não! É mais uma vida que foi prejudicada pela violência e falta de respeito por parte de alguns.

 Em sua defesa muitos homofóbicos alegam que a homossexualidade é coisa do diabo, que vai acabar com os valores da familia, que Deu…

Minha namorada imaginária

Eu sei que quando a gente se encontrar, vai ser pra valer. Vai ter aquela troca de olhares, aquela timidez inerente, a gente vai se saber um do outro, mesmo que num futuro. Eu sei que vai ser bonito, sabe? Como é pra todo mundo. Que vai ter familia no meio, defeitos aparentes, que vai ter foto do lado da minha cama, sei que vai ter nome na agenda do celular com caretinha, sei que vai ter toque especial pra você. Sei que vai você vai ser meu motivo pra acordar sorrindo. Sei que, quando estivermos juntos, qualquer problema com você vai ser pra mim que você vai ligar, porque eu que vou te entender, mesmo sem falar nada. Eu não vou julgar, seja lá o que for. Sei que se houver mágoa, a gente vai conversar, ou então a gente vai se odiar, mas tudo que já tiver passado vai ficar. Sei também que vai fazer meu coração bater mais forte, tenho certeza disso. Que eu vou poder reclamar da minha dor no braço e daí você vai brigar comigo, porque eu não cuido direito. E que você vai me perguntar quem…

O mundo virtual que vai te afastar de tudo e de todos!

O mundo mudou, mudou demais com a revolução cibernética, nunca estivemos tão conectados ao redor do planeta.
As notícias mais distantes chegam em segundos e os “amigos” se multiplicam às centenas. Se antes uma gafe era comentário entre um grupo pequeno de colegas, hoje ela pode “cair na rede” e destruir a reputação de um indivíduo.
Com tanta agilidade, tornou-se comum passar horas na frente do computador, absorvendo informações e conversando, ou teclando, com um grande número de pessoas.
Recentemente, participei de um encontro de blogueiros e especialistas em mídias sociais, e não me surpreendi ao perceber que a grande maioria está longe de ser o que seu “avatar” promete.
Existe uma geração que criou personagens virtuais e se comporta na internet do jeito que adoraria se comportar no mundo real. O mais incrível é que funciona. Pessoas interagem, conversam, trocam idéias, são até mesmo produtivas, porém, num encontro pessoal, algumas se tornam tímidas e arredias.
São capazes de “tuita…