Mãe


Eu te exalto na multiplicação
Da tua pureza, da tua paciência,
Da renuncia e bondade tuas, já na terra
Tão amplas. E sinto que tua face,
Que tinha a leveza do silencio
Amadurecendo o fruto, tem agora
A paz sublime dos bem-aventurados.
Se não sei exercitar a linguagem
Dos santos, não se embarga, contudo,
A voz, semente do teu canto-alta
Alegria que alenta e me acrece.
És minha mãe, e te digo: Eu te amo,
E com enternecimento do menino,
Ouvindo a tua voz me embalando.



Autor: Gilberto Avelino

Feliz Dia das Mães!