Pular para o conteúdo principal

Maria da Penha: uma lei constitucional e incondicional / Por - Maria Berenice.


Confira na íntegra, mais um artigo de Maria Berenice, desta vez o assunto é sobre a constitucionalidade da Lei Maria da Penha.

O STF ao reconhecer a constitucionalidade da Lei Maria disse o óbvio. Os ministros ratificaram exatamente o que ela diz: que a ação penal independe de representação da vítima e não cabe ser julgada pelos Juizados Especiais.
            Somente quem tem enorme resistência de enxergar a realidade da vida pode alegar que afronta o princípio da igualdade tratar desigualmente os desiguais. Cada vez mais se reconhece a indispensabilidade da criação de leis que atendam a segmentos alvos da vulnerabilidade social. A construção de microssistemas é a moderna forma de assegurar direitos a quem merece proteção diferenciada. Não é outra a razão de existir, por exemplo, o Código de Defesa do Consumidor, o Estatuto do Idoso e da Igualdade Racial. E nunca ninguém disse que estas leis seriam inconstitucionais.
            Além de afirmar sua constitucionalidade, o STF a interpretou a Lei Maria da Penha conforme a Constituição, que diz em seu artigo 226, parágrafo 8º: "O Estado assegurará a assistência à família na pessoa de cada um dos que a integram, criando mecanismos para coibir a violência no âmbito de suas relações".
            Atentando a esta diretriz constitucional foi reafirmada a dispensa da representação da vítima quando o crime desencadeia ação penal pública incondicionada. Reconhecer a legitimidade do Ministério Público para promover a ação, ainda que a vítima desista da representação, elimina a nociva prática que vinha se instalado: intimar a vítima para ratificar a representação, procedimento de nítido caráter coercitivo e intimidatório.
A necessidade de representação foi reconhecida como um obstáculo à efetivação do princípio de respeito à dignidade da pessoa humana, pois a proteção da vítima seria incompleta e deficiente, uma violência simbólica a cláusula pétrea da República Federativa do Brasil.
Outro dispositivo da Lei Maria da Penha que foi ratificado pela Suprema Corte é o que afasta a aplicação da Lei dos Juizados Especiais (Lei 9.099/95) de todo e qualquer crime cometidos com violência doméstica e familiar contra a mulher, independentemente da pena prevista.
O único voto discordante traduz a preocupação de alguns, de que a impossibilidade de estancar a ação penal inibiria a vítima de denunciar a violência, pois muitas vezes o registro era feito com intenção correcional. No entanto, não serve a lei a tal desiderato. Diante de um ato que configura violência física, sexual, moral, psicológica ou patrimonial cabe a busca de medida protetiva. No entanto, quando algumas dessas práticas tipificam delito que enseje o desencadeamento de ação penal pública incondicionada, não há como deixar ao exclusivo encargo da vítima a responsabilidade pela instalação da ação penal. É um ônus que não cabe ser imposto, a quem conseguiu romper a barreira do silêncio, venceu o medo e buscou a proteção estatal. Como os delitos domésticos não podem ser considerados de pequeno potencial ofensivo, impositivo que a tutela assegurada pela Lei se torne efetiva, cabendo ao agente ministerial assumir a ação penal.
Como a decisão foi proferida em sede de Ação Direta de Inconstitucionalidade, tem caráter vinculante e eficácia contra todos, ninguém - nem a Justiça e nem qualquer órgão da administração pública federal, estadual ou municipal podem deixar de respeitá-la, sob pena de sujeitar-se a procedimento de reclamação, perante o STF que poderá anular o ato administrativo ou cassar a decisão judicial que afronte o decidido.
Mais uma vez a Corte Maior da Justiça deste país comprovou sua magnitude e enorme sensibilidade, ao impor verdadeira correção de rumos à Lei que logrou revelar uma realidade que todos insistiam em não ver: que a violência contra mulheres é o crime mais recorrente e o Estado não pode ser cúmplice da impunidade.


Ação Direta de Constitucionalidade - ADI 19-3/610, proposta pelo Presidente da República, por meio do Advogado Geral da União, quanto aos artigos 1º, 33 e 41 e Ação Direta Constitucionalidade de Inconstitucionalidade - ADI 4424, intentada pela Procuradoria-Geral da República quanto aos artigos 12, inciso I; 16; e 41, todos  da Lei 11.340/2006.

Postagens mais visitadas deste blog

Símbolos Divinos: O Olho de Hórus e o Olho que tudo vê †

O simbolo mais usado de todos os tempos "O olho de Hórus" promove uma sensação boa (em mim) em muitos e ruim em alguns (nas pessoas que não conhecem sua história e acha que é algo satânico, oi?), o que muitos desconhecem é que o olho de Hórus não tem o mesmo significado do  "Olho da Providência" também conhecido como "Olho que tudo vê", que é usado de forma correta e as vezes incorreta, saiba um pouco mais sobre a diferença do significado de ambos.

13 Situações que aconteceram no Carnaval 2017 provam que o mundo não tem mais jeito

Depois de abrir seus olhos sobre a verdadeira face do Carnaval, no post 18 Coisas ridículas que acontecem no Carnaval e você nunca percebeu , aqui estamos nós mais uma vez para salvar sua vida com o top: 13 Situações que aconteceram no Carnaval 2017 provam que o mundo não tem mais jeito.

Uber pra que te quero?



Roberta, do 'BBB 17', faz ensaio sexy e temos 20 provas de que o internauta anda mais escroto

A Roberta, ex BBB 2017 mal saiu da casa e já começou usufruindo de seus cinco minutinhos de fama e tem muita gente com invejinha disso, sim!

Tudo estava indo bem com as notícias relacionadas ao ensaio da sister, até nos depararmos com diversos comentários escrotos na publicação sobre a foto da moça no site Ego. Selecionamos um comentário pior que o outro, mesmo assim sempre tem um que se salva:




01 - Síndrome de Peter Pan do Bullying!  02 - Não pode ver um MC Donalds e acha que todo mundo é igual
03 - Perdendo a virgindade...
04 - Mais um pros quinze milhões de desempregados/desocupados na internet!  05 - Vivemos uma opressão  06 - Melhor desculpa de quem não tem como pagar...  07 - Não ter espelho em casa a gente vê por aqui!  08 - A família tradicional brasileira também usa internet e tá sem dinheiro  09 - Como se alimentam? De onde vieram?  10 - Novo bordão no sense de uma recalcada anônima  11 - Invejosiane sofre ataque transfôbico  12 - A realidade de quem faltou nas aulas de redação